×

Alerta

JFolder: :ficheiros: caminho não é uma pasta. Caminho: /home/misaorg/public_html/images/galeriasrapidas/relatorio-acesso-info-eleicoes-2019
×

Aviso

There was a problem rendering your image gallery. Please make sure that the folder you are using in the Simple Image Gallery plugin tags exists and contains valid image files. The plugin could not locate the folder: images/galeriasrapidas/relatorio-acesso-info-eleicoes-2019
Imprimir

DSC 8292Os partidos políticos e Órgãos de Gestão Eleitoral cultivaram, nas eleições gerais de 15 de Outubro de 2019, uma tendência crescente de negação da informação aos cidadãos. A exigência de credenciais e a excessiva obediência a comandos provinciais e centrais para ceder informação aos cidadãos foram as principais manifestações desta negação, de acordo com o relatório sobre o Acesso à Informação Eleitoral , publicado pelo MISA-Moçambique, esta quinta-feira (12.03.2020), em Maputo:  Relatório de Monitoria da Cobertura dos Media das Eleições Gerais de 2019 em Moçambique /  Pesquisa de Monitoria de Acesso à Informação nas Eleições Gerais e Provinciais de 2019 em Moçambique


O estudo refere que os partidos políticos revelaram-se mais abertos em providenciar informação relacionada às campanhas eleitorais e menos vontade em fornecer informação relativa à gestão e transparência destes, o que concorre para que os eleitores conheçam menos os partido e as pessoas em quem vão votar nas eleições, criando-se espaço para escolhas pouco informadas. No que aos Órgãos de Gestão Eleitoral diz respeito, houve maior abertura no fornecimento de informações relacionadas à educação cívica e não necessariamente sobre os resultados das eleições.
Por outro lado, o estudo destaca um cenário crítico de acesso à informação entre as pessoas com deficiência, denunciando o fraco investimento dos actores políticos e dos Órgãos de Gestão Eleitoral nesse sentido, salvo em situações em que as entidades de administração eleitoral incorporam formas de garantia de acesso a pessoa com deficiência auditiva, nas suas campanhas de educação cívica na televisão.

O documento aponta como causas deste secretismo, o fraco conhecimento da legislação sobre o direito à informação eleitoral, aliado à fraca consciência, de que o direito à informação eleitoral é também regulado pela legislação mais ampla do direito à informação.

O estudo recomenda, entre outros aspectos, a necessidade de promoção do conhecimento integrado da legislação do direito à informação, através da capacitação aos diversos actores, para promover maior acesso à informação eleitoral e a criação de capacidades internas, nos Órgãos de Gestão Eleitoral e partidos, para a garantia do direito à informação eleitoral relevante, para estimular as instituições relevantes a divulgarem informação que permita ao eleitor fazer as suas escolhas eleitorais informadas.

A consciencialização sobre a necessidade de criação de condições de acesso à informação eleitoral às pessoas vulneráveis – como idosos e Pessoas com Deficiência e a Elaboração de uma estratégia de promoção, divulgação e capacitação sobre o direito à informação que tenha em conta as diferenças dos contextos rural e urbano, são as outras recomendações.

Na cerimónia, organizada em parceria com o Instituto Eleitoral para a Democracia Sustentável em África - EISA, Sindicato Nacional de Jornalistas-SNJ e o Centro de Estudos Interdisciplinares em Comunicação- CEC, foram igualmente lançados o Relatório de Monitoria da Cobertura Eleitoral 2019 e o estudo sobre Eleições Gerais de 2019 em Moçambique nas Redes Sociais.

{gallery}relatorio-acesso-info-eleicoes-2019{/gallery}